Please reload

Leitura Obrigatória

A HISTÓRIA DO MEU CÃOZINHO E A HISTÓRIA DE UM CÃO MUITO MAIOR

1/5
Please reload

Em Destaque:

Reis do Futebol: Garrincha

Nunca faltou desculpa ao Brasil para as derrotas nas copas, desde 1930. Não tivemos os paulistas no Uruguai, os juízes de Mussolini na Itália, sorte na França, eficiência no Brasil e futebol na Suíça. Em 1958, Garrincha sobrou.

 

 

Garrincha pendurou os rouxinóis caçados na mata de Magé, Rio de Janeiro, no corpo desnudo e tomou o rumo de casa. A estilingada rendeu os ossinhos de sortimento do arroz de Dona Carolina. Preocupado com o atraso do almoço, dispensou a bolinha branca, de meia fina, perdida no caminho, furada que o algodão apontava para fora, e suja de lama, pois caíra no barro. Não quis animá-la. Arriscou a pele em terrenos baldios, sempre, mas ninguém, nem mesmo o menos talentoso dos jogadores do lugar, gastaria a sola com bola de meia fina e branca, ainda mais furada. Ainda mais com o almoço atrasado.

 

Como aquela meia, a casa e Pau Grande escalaram Garrincha para tentar a sorte no futebol do Rio de Janeiro, primeiro no Vasco, depois no Botafogo:

 

* O que você quer, garoto?

* Jogar futebol.

* Cadê as chuteiras?

* Não tenho.

* Vai caçar emprego, moleque!

 

Manoel dos Santos fez o caminho de volta. Não iria caçar emprego no Rio de Janeiro, mas garrinchas em Pau Grande, jogar bola em Pau Grande, comer as meninas de Pau Grande.

 

Sob insistência, submeteu-se novamente à tortura, agora no Botafogo, sem que o avisassem de quê, à sua frente, o badalado Nilton dos Santos posicionava-se ereto, firme, um gato pronto a lhe roubar a bola assim que arriscasse seu gingar atrevido.

 

Resolveu se enfiar pelo meio e não pela ponta, a variar o costume. Dos Santos saiu para a ponta e Garrincha passou. Logo adiante, o atacante saiu pela ponta e o lateral tentou o meio. Garrincha avançou, cruzou, por pouco não dá em gol.

 

Ensaiando dos dois lados, dos Santos tomou embaixo das pernas. O treino acabou com o suado lateral cumprimentando o zombeteiro de pernas tortas:

 

- Onde aprendeu tudo isso, garoto?

- Em Pau Grande.

- Continue treinando, Garrincha. E venha logo para o meu lado, antes que eu perca lugar no time.

 

O que mudou em 1958? Garrincha. Jogasse ele todas as copas, seriam favas contadas o hexa na Suécia, em1958. Em 1934, então, a Copa estava de graça, à nossa feição. Faltou Garrincha.

 

Um toque genial pela direita e a gente escapava dos juízes corruptos, subornados por Mussolini. Um pisão no pé alertava o juiz para a falta não marcada. Um chute no tornozelo lembrava o impedimento escandaloso. Para gol mal anulado, o jeito era partir pra cima, de pau grande:

 

- Escute aqui, velhinho. Se você está com medo de morrer depois do jogo, esquece. Tua hora chegou e é agora.

 

Com medo da máquina comunista, campeã olímpica de 1956, precisando ganhar o jogo em 1958, alertado pelos mais experientes, Vicente Feola convidou Garrincha para uma conversa particular:

 

- O time da União Soviética é forte, Mané. Estou pensando em te botar, junto com o Pelezinho. Você se dá bem com ele?

- Não.

- E com Didi?

- Também não.

- E com Vavá?

- Seu Feola, eu não tenho que me dar bem com ninguém, só com a bola. Mande os russos fazerem a fileira, o resto é comigo.

 

Três joguinhos depois da contenda soviética, Brasil campeão do mundo, Mané procurou Feola:

 

- Dá para me liberar das festas? Quero ir embora. Não tem nem segundo turno este torneio aqui. O Fogão tem um jogo duro contra o Fluminense, lá no Rio. Não posso perder aquela parada.

 

Um torneiozinho mixuruca na Suécia enfastiou e entediou o demônio de pernas tortas.

O último gomo da tangerina enchia a boca de Mané de caldo e bagaço, enquanto observava o treino do Botafogo, sentado à beira do campo. Emprestara suas chuteiras novas a um João qualquer para que as recebesse amaciadas.

 

O tapa que Aymoré Moreira desferiu em suas costas engasgou o folgado Garrincha:

 

- O que está acontecendo, Mané?

- Entalei, seu Aymoré. Você ficou doido?

- Tem um mexerico aí na rua que não é bom para você.

- E qual é?

- Garrincha dispensa a convocação e não vai participar do bicampeonato, no Chile.

- Não é mexerico, não. Estou fora. É muita viagem para pouco jogo. Além disso, não precisa de mim. Você já tem Pelé. O Brasil não precisa de nós dois, não.

- E se o Pelé se machucar?

- Aí, eu viajo.

- A regra de inscrição da Copa não aceita bagunça. Ou acerta ou deserta.

- Deserto.

- Não aceito. Vou inscrevê-lo. Depois, veremos.

 

A contusão de Pelé, logo no primeiro jogo, serviu de deixa para Aymoré:

 

- Está vendo aí, Garrincha. Trate de jogar agora por dois, se não a gente volta rapidinho para o Brasil e de pires na mão.

Ao invés de formar fila e facilitar a vida de Garrincha, tal qual fizeram os russos na Copa passada, dois mexicanos se posicionaram lado a lado e um estacionou mais recuado, trazendo a geometria para o campo de jogo, última novidade na marcação de nosso famoso jogador. O triângulo afrontou Garrincha e debochou da sinuca em que ele se meteu.

 

Se a perfeição no futebol sempre privilegiou o ataque, aquela defesa era o seu contraponto.

 

O espírito de uma garrincha, o passarinho, que caça moscas e mosquitos no ar em arribadas e mergulhos acelerados, freios repentinos e bicadas certeiras, chamou Mané para si, endiabrou seu corpo, projetou-o contra a barreira mexicana. Se o gingado não fosse de um torto, o serviço ficaria pela metade e, a bola, com os defensores. Completamente apaixonada por seus pés, ela não se apartou de Garrincha um só milímetro e foi com ele até o outro lado, posicionada para o chute a gol ou o cruzamento, o atacante que fizesse o que bem entendesse. Não cruzando, não chutando, com o bico externo da chuteira direita, Garrincha aplicou um totozinho lateral na bola e a penteou para trás.

 

Como um passarinho novo ao ninho retorna, ele ofertou nova chance ao trio defensivo, voltando à posição original.

 

As baratas tontas, os cucarachas, levantaram-se e refizeram o posicionamento. Com os dedos abertos, Garrincha os convidou para a repetição do baile. Foi uma festança a Copa toda, a Espanha dançando juntinho com o Chile, a Inglaterra dançando separado com a Tchecoslováquia.

 

O ritmo? O de Mané.

Manoel Francisco dos Santos, ou simplesmente Garrincha, nasceu em Magé, Rio de Janeiro, em 1933, e morreu em 1983, em conseqüência do alcoolismo. É considerado o segundo melhor jogador da história do futebol brasileiro, depois de Pelé. O ‘anjo das pernas tortas’ foi campeão mundial em 1958 e 1962 pela Seleção Brasileira. Em 1962 foi o melhor jogador da copa. Jogou no Botafogo, Flamengo e Corinthians, tendo sido campeão carioca e do torneio Rio-São Paulo pelo Botafogo. Marcou mais de 300 gols na carreira, a maioria pelo Botafogo.

 

Compartilhar no Facebook
Compartilhar no Twitter
Please reload

  • Facebook Basic Square

Artigos Relacionados:

Acompanhe:
Please reload

Sobre o blog:

© 2017 Bora Brasil

Sempre que há interesse em disputa,  legítimo ou não,  consome-se ideologia,  não importando se a agenda é a gestão pública,  futebol ou política.  

Oferecer elementos contraideologicos à reflexão é o desafio de servidores públicos sociólogos cientistas politicos escritores e quetais que pensaram e são colaboradores deste blog. O objetivo é disputar, com ideias, o dasafio da construção de um país melhor. Bora Brasil. 

Entre em contato: contato.borabrasil@gmail.com