Please reload

Leitura Obrigatória

A HISTÓRIA DO MEU CÃOZINHO E A HISTÓRIA DE UM CÃO MUITO MAIOR

1/5
Please reload

Em Destaque:

Para Consumir 4% Do PIB, A Burocracia Precisa Se Justificar

Estamos chegando na hora do orgulho besta. Trocando a política pública, que deve ser corrigida na hora em que o erro é descoberto, para satisfazer a investigação.

Um flamenguista sente orgulho de Zico, um botafoguense de Garrincha e um santista de Pelé; um tucano de FHC e um petista de Lula; um cearense de Chico e um baiano de Gil; um filho da mãe. Alguns têm orgulho de Bolsonaro, o que só demonstra que o dono do orgulho espalhou seu produto demais por aí. 

 

Mas, putz, de que se orgulha o burocrata? 

 

O burocrata faz torcida por times, partidos e personagens como qualquer brasileiro, mas, de seus afazeres, sente orgulho de algo? 

 

Pensei logo no planejamento. Na constelação de funções do Estado, o planejamento está na posição mais elevada. É um ponto de partida. Um bom projeto de futuro para o Brasil, feito pelas estrelas burocráticas, e já se tem algo para explodir de orgulho.  

Bem, mas não tem planejamento, então, vamos passar para outra. 

 

O orçamento, quem sabe! 

 

Uma peça previsível, estima as despesas, fixa as receitas... Epa, epa, é o contrário: estima as receitas e fixa as despesas. Nossa, como corre risco o burocrata! Uma mudança de sinal e seu curriculum vai pra lama.  

 

Dentro de um bolo previsto de receitas, você fatia o orçamento em várias despesas. Milhares de despesas, para ser mais inexato. Então, não é difícil, o orçamento, mesmo detalhado em excesso, é um bom troféu para o campeonato de orgulho. O burocrata está salvo.  

 

É melhor correr com essa salvação, no entanto. Se aparecer alguém com a conta de restos a pagar do ano anterior, aí a peça orçamentária vira um caos. Os restos a pagar não têm contrapartida de restos a receber. O chefe ainda pede para reabrir créditos do ano anterior que não foram utilizados, ampliando a despesa do ano, aquela que não tem contrapartida na receita. O orçamento perde eficiência. Nesse momento, só resta farelo a distribuir e todo mundo fica infeliz. É, meu caro, mesmo sendo um importante instrumento de gestão, o orçamento não serve para liderar o orgulho burocrata. 

 

Podemos embalar e esconder junto a tesouraria. O Estado não paga ou paga em atraso e ainda aparece gente para atravessar o negócio. Definitivamente, a última bolacha do pacote de orgulho não é a tesouraria. 

 

Pensando, pensando e... pintou a salvação. 

O controle. 

Como não cheguei ao controle antes? 

 

O Brasil nunca controlou tanto. Os contratos da administração estão todas expostos no aquário e uma leva de gente, procuradores, analistas, policiais e juízes, manda ver, atua em respeito à lei, observa cada movimento. Aí sim, sem mas, sem nada, o campeão do orgulho: o controle. 

 

Mais um 'mas', por último, me perdoem. 

 

Onde estava o campeão do orgulho enquanto saqueavam Petrobrás e Correios? E as obras superfaturadas superfaturando propinas? 

 

Chegar depois da cancela vulnerada e atirar no aquário espirra água para todo lado, mas não é tarde? Nunca é tarde? 

 

Podemos confessar uma coisa: perdemos um pouco o brilho com essa história de chegar depois, mas ainda temos orgulho do controle. Desde que não apareça mais nada, é a minha conclusão. 

 

Aí a polícia federal deflagra a operação carne fraca.  

 

A falta de cuidados sanitários levou à prisão diretores dos maiores frigoríficos do país. Vendiam no mercado interno e exportavam carne fora do prazo de validade, disfarçada com produtos químicos. É a denúncia. Comércio de carne podre perfumada, reagiu um gaiato. 

 

Há anos a polícia reunia elementos para a prisão dos envolvidos.

E aqui está o ponto. 

A polícia investigou durante anos, enquanto o cidadão comeu carne podre. 

Se fosse na indústria de remédios, o paciente estaria consumindo remédios sem qualquer eficácia. É a morte, em casos mais graves. 

Frutas e verduras vencidas, leite contaminado e pães balofos nutrindo as crianças na escola, enquanto a polícia investiga? 

Trazendo para um caso prático, o modelo funciona assim: 

O servidor de controle desconfia de que a merenda fornecida às crianças paulista foi mal comprada, desviada e não é própria para o consumo. 

O controle avisa à polícia. 

A polícia pede ao juiz autorização para investigar, inclusive com escuta telefônica. 

A investigação dura anos. 

Prende todo mundo, enquanto a criançada vive nos hospitais, a barriga doendo. 

Estamos chegando na hora do orgulho besta. Trocando a política pública, que deve ser corrigida na hora em que o erro é descoberto, para satisfazer a investigação. 

O papel do controle não é evitar a lambança e encher a gente de orgulho? 

Sei lá. Só chamando a polícia para investigar. 

 

Compartilhar no Facebook
Compartilhar no Twitter
Please reload

  • Facebook Basic Square

Artigos Relacionados:

Acompanhe:
Please reload

Sobre o blog:

© 2017 Bora Brasil

Sempre que há interesse em disputa,  legítimo ou não,  consome-se ideologia,  não importando se a agenda é a gestão pública,  futebol ou política.  

Oferecer elementos contraideologicos à reflexão é o desafio de servidores públicos sociólogos cientistas politicos escritores e quetais que pensaram e são colaboradores deste blog. O objetivo é disputar, com ideias, o dasafio da construção de um país melhor. Bora Brasil. 

Entre em contato: contato.borabrasil@gmail.com