Please reload

Leitura Obrigatória

A HISTÓRIA DO MEU CÃOZINHO E A HISTÓRIA DE UM CÃO MUITO MAIOR

1/5
Please reload

Em Destaque:

Qualquer Coisa Parada É Investimento. Funcionando, Custeio

A bola exposta em um museu do futebol é um investimento; já se a molecada se arriscar a dar um chutão nela, vira custeio.

Ao acordar, Júnior deu de cara com a TV nova e telever sua programação favorita era apenas uma questão de instalação.

 

- Massa, pai.

- Júnior, economizei no custeio e pude fazer este belíssimo investimento – apontou a televisão, com orgulho.

 

Júnior ficou aguardando a instalação, plugue e...

 

- Posso ver, pai?

- Não, filho. Vai gastar energia. Energia é custeio, não pode.

 

O menino sofreu, vendo a imagem de desapontamento do pai naquela telona que era a cara dele. Como poderia ter-se esquecido da lição número um da família? Investimento pode, custeio não.

 

Em algum momento no Brasil, a burocracia achou uma solução muito mais inteligente para o mesmo problema do pai de Júnior e, simplesmente, parou de comprar televisão – sem investimento não há custeio. Quando a pressão é grande, alguém tem logo a ideia:

 

- Vamos comprar o gabinete.

- Não, vamos licitar o gabinete; depois, licitamos o tubo de imagem, o sistema e, finalmente, os botões.

- Isso demora...

- Quatro anos.

- Ótimo, será outro governo. Vai querer outro tipo de televisão e aí para tudo.

- Outra televisão, não – apareceu alguém para corrigir -, outro gabinete.

 

Não podemos facilitar as coisas para a malandragem, nos ensina o controle: a administração nunca deve licitar um restaurante inteiro, mas, em separado, a obra civil, o ar-condicionado, os fogões, os armários, as mesas e as cadeiras. Capaz de demorar a hora do feijão, mas feijão, aprendamos, é custeio.

 

Se Júnior andasse mais pelo país com o pai, um distinto funcionário da burocracia federal, daria aula sobre o assunto na escola, apesar de que, aprendera, aula é custeio.

 

- O que é aquilo, pai? Dezenas de casas sem telhado.

- É filho, até agora só tem investimento. Terminando as casas, vem o custeio.

- E aquilo lá? Que obra enorme!

- Uma eclusa.

- Tá pronta?

- Não, como pode? Se ficar pronta, não temos como administrar a eclusa e ...

- É custeio – reforçou o garoto.

 

Sabido.

 

- Aquele lá, olha, parece um hospital.

- É, o prédio já está pronto. Agora, vamos comprar os equipamentos, raios X, leitos, fazer os consultórios dos médicos.

- Depois, vem o custeio – disse o menino sabido. E os médicos? É pra quando, pai?

- Uns oito anos, filho.

- Nossa, pai. E se eu ficar doente antes?

- Se preocupa não, Júnior, eu não vou fazer o investimento que fiz em você e... – preferiu não terminar a frase.

- Aquela ponte lá está sem a estrada, pai.

- É que a administração dividiu a licitação em duas, o encabeçamento da ponte em separado. Como só a primeira licitação deu certo, a ponte está pronta, falta a ligação com a rodovia. De vantagem, ainda atrasa a necessidade de manutenção, filho.

- Manutenção é custeio?

- Manutenção é custeio.

- Ótimo. Aquela barragem lá está pronta. Vai dar custeio.

- Não, porque não está pronto o sistema de adução, depois vem a estação de tratamento. Com as ligações domiciliares é que vem o custeio.

- Vai demorar, hein.

- É, e se o usuário for pobre, vai ter subsídio.

- Subsídio é...

- Custeio.

 

Os juniores do nosso time, que jogam e apostam na dicotomia investimento versus custeio, ainda não entenderam direito o esporte, muito menos a educação. O Maracanã sem custeio é um elefante branco e o colégio Elefante Branco sem professor é um... elefante branco. Separar o investimento do custeio é formar apenas a linha de frente do time, quando todos sabem que é atrás que vem gente. Sobra ainda para a bola, que uns acham que é investimento, outros custeio. Para ajudar nas conclusões, eu diria que a bola exposta em um museu do futebol é um investimento; já se a molecada se arriscar a dar um chutão nela, vira custeio. Em resumo, qualquer coisa parada é investimento; funcionando, custeio.

 

O custeio vem depois do investimento, mas se justa e contrapõem como as bocas em um beijo, diria um romântico. Os brincalhões, pouco românticos, gostam de afirmar que a máquina pública é uma coisa parada, ou seja, um investimento. Reduzir o custeio da máquina pública pode parecer então redução desse investimento para alavancar outros investimentos ou subsidiar o acesso às próprias políticas públicas derivadas dos investimentos.

 

Júnior não entendia nada - dessa confusão toda - aos dezessete anos e ainda era um encanto com o pai:

 

- Papai, o senhor é um doutor!

- Em investimento, filho.

 

Perto de sua casa, foi se formando um prédio, que Júnior descobriu que era uma escola técnica. O pai pediu para que ficasse de olho, mas a obra estava muito rápida.

 

- Estou preocupado.

- Preocupa, não, Júnior. Muita água ainda vai rolar embaixo dessa ponte.

- Ponte é investimento. Água é custeio.

- Isso!

 

Um dia, Júnior acordou assustado com o barulho no caminho da escola. Era a inauguração. Uma festa política, com políticos, os outros pais – o seu, jamais – e jovens – ele, nunca. Correu para o telefone, desesperado. Precisava avisar.

 

- Paiê, socorro, a escola ficou pronta!!

- Não acredito! Falhamos completamente.

- O que é que eu faço?

- Não sei, está tudo tão rápido.

- Deixe comigo.

 

O rapaz correu para a festa. Levantou tanta poeira que o perdi de vista. Vaiou tão alto que o escutei.

Compartilhar no Facebook
Compartilhar no Twitter
Please reload

  • Facebook Basic Square

Artigos Relacionados:

Acompanhe:
Please reload

Sobre o blog:

© 2017 Bora Brasil

Sempre que há interesse em disputa,  legítimo ou não,  consome-se ideologia,  não importando se a agenda é a gestão pública,  futebol ou política.  

Oferecer elementos contraideologicos à reflexão é o desafio de servidores públicos sociólogos cientistas politicos escritores e quetais que pensaram e são colaboradores deste blog. O objetivo é disputar, com ideias, o dasafio da construção de um país melhor. Bora Brasil. 

Entre em contato: contato.borabrasil@gmail.com