Please reload

Leitura Obrigatória

A HISTÓRIA DO MEU CÃOZINHO E A HISTÓRIA DE UM CÃO MUITO MAIOR

1/5
Please reload

Em Destaque:

Hoje Eu Não Vou Falar de Lula II

A vantagem do pão é que urubu respeita. 

 

O primeiro passarinho que Ricardo Moro viu foi um pintassilgo de prancha toda amarela, a cabeça pintada de branco por sabe-se lá quem, cortada por uma mancha vermelha cheia de pontas,  feito estrela e labareda.

 

A fotografia do bichinho destacava-se no mosaico da revista, mesmo comparada a tantos primos, de todas as cores e tamanhos.

 

Ele não largava a revista.

 

Seus pais, observando a afeição, presentearam-no com um pintassilgo parecido com o da revista, e aí o menino descobriu que o papo do pássaro vibrava, de tanto cantar. 

 

O canto era tão belo como o resto era bonito.

 

Antes que dele enjoasse, Ricardo ganhou outro pássaro, um melro.

 

Logo depois chegou um desconfiado papagaio, mais para o lado do mau-encarado.

 

Ele gostou do papagaio, mas o papagaio parecia não gostar de ninguém, muito menos do pintassilgo e do melro, para os quais fazia cara feia.

 

O pintarroxo e o uirapuru encheram o quintal de alegria.

 

Ricardo não se cansava de mostrar as fotos para o pai e receber os pássaros em vivo, alguns custando milhares de reais, outros custando muita burocracia, pois eram importados.

 

Na rotina do menininho, dava de comer e de beber à sua pequena fauna. Enquanto os pássaros pescavam o alpiste e uns grânulos coloridos, postos em tigela, Ricardo Moro lambia o picolé de coco ou chupava uma bala.

 

 

Vanderlei Silva nasceu em lixão de cidade grande, onde um amontoado de gente disputava garrafas e latas de coca-cola, lascas de madeira, espetos de ferro e, até, caixas de comida velha.

 

Durante anos, o único pássaro que conheceu foi o urubu.

 

Um urubu não é feio, mas milhares deles ao seu redor é.

 

Os urubus ficam mais feios quando avançam sobre as caixas de comida velha.

 

A ladineza deles superava a de Vanderlei, que, não raras vezes, ficava sem a refeição do dia - para não chamar aquilo de comida.

 

Quando o pai chegava da rua e se encontrava com o filho, entregava-lhe um pão de sal seco, troco da venda das latas de alumínio e da compra de uma pequena dose de cachaça, pois ninguém é de ferro.

A vantagem do pão é que urubu respeita.

 

Ele se afeiçoou por um urubu novinho, a quem lhe atribuiu um nome, não me recordo qual.

Vendo o filhote com dificuldade para conseguir seu alimento na disputa com os marmanjos, Vanderlei lhe ofereceu proteção. Um menino de bom coração, diga-se de passagem. Nem se abastecendo direito e se preocupando com um urubu.

 

Corria para as caçambas novas atrás de alimento e aprendeu a separar um pouco de comida para o urubuzinho.

 

O danado do urubu foi fazendo associação na cabeça e, certa vez, vendo chegar uma caçamba, correu para ficar perto de Vanderlei.

 

O menino achou engraçado, pegou uma caixa de papelão e lhe abriu um buraco. 

 

Mirando o urubu, que fez pose, o garoto tirou um quilo de fotografias.

 

Vendo que seu filho se distraía com assunto indevido em hora de trabalho, o pai ralhou com ele:

 

- Isso não é hora, Vanderlei. O que você está fazendo?

 

- Tirando umas fotos de meu amigo, pai. É para botar numa revista.

 

 

Compartilhar no Facebook
Compartilhar no Twitter
Please reload

  • Facebook Basic Square

Artigos Relacionados:

Acompanhe:
Please reload

Sobre o blog:

© 2017 Bora Brasil

Sempre que há interesse em disputa,  legítimo ou não,  consome-se ideologia,  não importando se a agenda é a gestão pública,  futebol ou política.  

Oferecer elementos contraideologicos à reflexão é o desafio de servidores públicos sociólogos cientistas politicos escritores e quetais que pensaram e são colaboradores deste blog. O objetivo é disputar, com ideias, o dasafio da construção de um país melhor. Bora Brasil. 

Entre em contato: contato.borabrasil@gmail.com