Please reload

Leitura Obrigatória

A HISTÓRIA DO MEU CÃOZINHO E A HISTÓRIA DE UM CÃO MUITO MAIOR

1/5
Please reload

Em Destaque:

Anjos Privados e Demônios Públicos

Aqui é um hospital de excelência, senhor, mas chegam aqui mais crianças que podemos atender. Colocamos a meninada na ambulância e as enviamos para os hospitais públicos. Só recebemos 25 crianças por dia.

Às vezes, tomamos a raia errada no debate público/privado e seguimos toda vida nela, acreditando em anjos privados e demônios públicos.

 

Uma ONG que trata a saúde de 50 índios, num par de ocas, oferece serviço superior ao prestado pelo setor público para 500.000 índios.

 

A Fundação Gol de Letras cuida de centenas de jovens e demonstra ser mais competente que o Estado, que desenha políticas públicas para cinco dezenas de milhões de jovens.

 

O programa criança-esperança mobiliza a sociedade para atender meninos que não ocupam a barra toda do vestido das mães de Olaria, no Rio de Janeiro, ou Ceilândia, no Distrito Federal.

 

Tive a oportunidade de visitar uma experiência hospitalar para lá de exitosa na periferia do Rio de Janeiro. Exames pré-nupciais, nascimentos e primeiros cuidados infantis na fronteira da excelência.

 

Aí, você pensa assim... Vai num hospital público? Mães jogadas nos corredores e crianças caindo, como bêbadas, dos berços.

 

De volta ao hospital de excelência, perguntei por que havia tanta ambulância no pátio. A nobre enfermeira me esclareceu, contente:

 

-Chegam aqui mais crianças que podemos atender. Colocamos a meninada na ambulância e as enviamos para os hospitais públicos. Só recebemos 25 crianças por dia.

 

A excelência atende 25 crianças e as outras centenas de milhares que precisam de cuidados diários vão para os hospitais públicos. Simples assim.

 

Que o Estado deve melhorar seu atendimento às crianças, não há dúvidas.

 

Também aos idosos, jovens, mulheres, negros .

 

São vítimas preferenciais dos erros públicos na educação, saúde, segurança, assistência, justiça.

 

Mas esses projetos para meia dúzia apenas rascunham o problema.

 

Servem ao diletantismo ou ao conforto moral de muitos brasileiros. Que acham que o exemplo está aí, basta segui-lo.

 

Não resolvem o problema, mas resolvem o problema, que temos, do discurso.

 

Na real, precisamos é botar a mão na massa.

 

Compartilhar no Facebook
Compartilhar no Twitter
Please reload

  • Facebook Basic Square

Artigos Relacionados:

Acompanhe:
Please reload

Sobre o blog:

© 2017 Bora Brasil

Sempre que há interesse em disputa,  legítimo ou não,  consome-se ideologia,  não importando se a agenda é a gestão pública,  futebol ou política.  

Oferecer elementos contraideologicos à reflexão é o desafio de servidores públicos sociólogos cientistas politicos escritores e quetais que pensaram e são colaboradores deste blog. O objetivo é disputar, com ideias, o dasafio da construção de um país melhor. Bora Brasil. 

Entre em contato: contato.borabrasil@gmail.com